sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Saudade invernal

                   Hoje eu senti algo que nunca havia sentido com tanta certeza. Meu namorado viajou, foi lá para os parques do norte e a cidade com a mais importante bolsa de valores do mundo. Não que ele vá ganhar muito dinheiro com ações, acho que ele já ganhou meu coração com as deles. Acho não, tenho certeza.
                Quando o abracei antes dele entrar no carro eu senti vontade de chorar, ainda sinto, mas as lágrimas não querem descer. Elas podem estar contrariando as leis da gravidade pelo simples motivo de que nada vai acontecer, que eu preciso permanecer calma, firme e forte.
                Como fazer isso? O aperto só aumenta, aquele no peito que parece que vai puxando sua alma lentamente para um buraco negro. Eu senti, pela primeira vez, o que chamam de amor. Não amor de mãe, de pai, tia, irmão. É um amor diferente, um amor de perdas e ganhos, um amor imprevisível, que não sabemos se ele estará lá no raiar do outro dia.

                Eu soube o quanto eu o amo, e olha que é muito. E já no final dessa crônica minhas lágrimas concordaram em cair. Não cair por desistência, mas para aliviar a saudade aqui. Essa que é grande mesmo ele nem estando ainda no ar, esta que prova o quanto eu o amo e o quanto ele importa.

1 opiniões:

Joice N. disse...

Saudade é uma das piores coisas que a gente pode sentir. Entendo mais ou menos como se sente, mas seja forte, ele voltará. :)
Beijos ♥
http://mydreamsofasummernight.blogspot.com.br/

Não seja um leitor silencioso. Comente!