segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Piquenique no parque



      Eu nunca quis que nenhum dos meus relacionamentos acabasse, mas eu penso que é impossível duas pessoas tão diferentes continuarem juntas. Não sou madura o suficiente para entender isso, pelo menos acho, não desejo descobrir no futuro que o que eu sabia era verdade, quero algo bonito e verdadeiro. Isso acontece com o meu namorado também, estamos juntos à cinco meses e nos vemos, no máximo, duas vezes por semana. Eu afirmo que não precisamos ficar juntos todo o tempo, pois este é o grande problema, toda essa 'chicletice' com os namorados. Eu penso que temos que ter o nosso espaço, e quando bate a saudade de alguém, nós marcamos e nos vemos. Ele nunca reclamou, eu sempre achei que estava tudo bem. Até o dia em que ele falou:
      - Fernanda, eu estou cansado.
      - Cansado de quê?
      - De nos vermos tão pouco. Eu sinto a sua falta.
      - E eu também, mas não estamos a matando agora?
      - Sim, mas então você vai embora e o buraco no meu peito se abre novamente.
      Sim, ele reclamou muito depois disso, ficamos discutindo o que era melhor, usando os argumentos que tínhamos: a minha razão e os sentimentos dele. Não precisávamos mudar, eu tinha o meu espaço e gostava dele. Ele pediu um tempo, disse que não suportava tudo isso, e que talvez precisasse de alguém mais próximo, mais carinhoso. Não suporto que me coloquem defeitos, mesmo que não seja diretamente. Tento ser uma pessoa boa, mas quanto aos meus sentimentos, quero que eles serão priorizados pela pessoa que estiver comigo. Se ele não tem capacidade para fazer isso, que procure alguém que necessite de um apoio.
      - Você só pensa em si mesmo!
      - E você? Desde quando você me telefonou para dizer que queria me ver? Eu sempre tomei as atitudes. - Ele gritou.
      - Eu não sentia tanto a sua falta assim!
      - Então você não tem sentimentos, e é por isso que eu não quero ficar mais com você!
      Ele jogou na minha cara que eu era uma pessoa vazia, gelada, sozinha. Não o vi mais, permaneci só em minha solidão por mais de dois meses, e finalmente eu sentia o que ele chamava de saudades. É um grande aperto no coração, quando nós não sabemos se a outra pessoa está pensando em você; nós queremos vê-las, mas não sabemos se é possível. Não queria sentir, queria apenas esquecê-lo, mas isso era muito difícil para mim naquele momento. Saí. Levantei da cama e fui dar uma volta pelo Parque Laje, onde nós nos conhecemos. É um parque lindo, calmo e que me proporcionava a sensação de paz. Não foi a sensação que tive no momento, mas sim a saudade batendo constantemente no meu peito quando o vi sentado, sobre uma toalha vermelha com uma cesta de piquenine. Não acreditei, nós fazíamos piquenique naquele lugar, e agora ele estava com outra pessoa, fazendo o que eu mais gostava. Quando ele me viu dando meia volta, gritou meu nome sem pensar, não sei se talvez se arrependeu.
      - Fernanda?
      - Oi Bruno, eu não pensei que estaria aqui.
      - Eu ainda gosto de piqueniques.
      - Quem é a sortuda? - Não queria que a última palavra saísse, mas foi mais forte do que eu.
      - Ninguém. - Disse assustado. - Estou sozinho.
      - Que ideia é essa de fazer um piquenique sozinho? Donde é que já se viu? - Minha voz ficou um pouco mais trêmula.
      - Isso me lembra você.
      E com a saudade batendo na porta, apertando a campainha e gritando muito alto, eu falei:
      - Sinto saudades sua.
      - O quê? - Ela não acreditou, óbvio.
      - Sinto sua falta, da sua voz, do seu carinho, de tudo.
      - Fernanda, eu também, mas não posso mais aguentar aquela situação, de ficar dias longe de você, e só eu sentir alguma coisa.
      - Eu sinto algo agora, sinto-me diferente.
      - Então, por que nós não tentamos novamente?
      - E acabar com essa distância entre nós dois?
      - Por que não? Claro que você terá que ceder um pouco mais.
      - Você tem sanduíche de peito de peru?
      - Sim. - Respondeu em um tom de pergunta.
      - Então me dê, que eu sento do seu lado e a gente acaba com essa distância.
      - Para sempre?
      - Veremos senhor do piquenique.

Pauta para Bloínquês, 93ª edição musical. Tema:E acabar com essa distância entre nós dois?

2 opiniões:

Katthy Jackellinny disse...

Oii ... Passei por aquui // ADOREI o Texto ... seguindo segue de voltaa 4bjinhus

http://girllsweett.blogspot.com/

Glaucia Matos disse...

Oi, adorei seu blog, e já tô seguindo! Segue de volta?!
@caprichamulher
http://www.caprichamulher.blogspot.com

Não seja um leitor silencioso. Comente!