quarta-feira, 17 de março de 2010

Gatos da noite

   Como eu queria acreditar quando ele me dizia que tudo ia ficar bem. A cada noite ele aparecia lá em casa, como um lindo gato preto ronronando e se entrelaçando entre as minhas pernas. Seu pêlo era macio e ele era o único gato que eu não tinha alergia. Quando ele voltava ao normal me enchia de beijos carinhosos, ele era quente, como um gato preto.
   - Não tenha medo, tudo vai terminar bem. – Foi o que ele me disse na noite em que me levou ao castelo.
   - O que você vai fazer?
   - O que você sempre sonhou.
   Tudo que eu estava sonhando naqueles últimos meses era poder pular nos muros e caminhar sobre o luar ao lado dele, como uma gata. Estava na hora disso acontecer depois de três anos de namoro.
   - Não se preocupe, não vai doer nada. – Mentira dele quando tudo começou a funcionar.
   Eu sentia o calor penetrando pelo meu corpo, toda a história da minha vida passou em minha mente, todos quem eu amava. Eu nunca havia sentido aquilo antes, a dor aumentava a cada instante, mas não estava arrependida, eu havia ficado, podemos dizer, gata.
   Em forma humana eu tinha olhos verdes e minha pupila era como a de gatos de rua, meus ossos pareciam estar mais fortes do que nunca, eu poderia saltar como uma gata. Minhas unhas estavam duras e rosadas, meus pés pareciam maiores e minhas mãos lisas; meu olfato, minha visão e minha audição estavam aguçados, eu podia ouvir os pingos da chuva caindo sobre o asfalto. Eu estava perfeita, me sentia perfeita, eu era uma gata da noite.
   Jason ensinou a transformar-me em gato, parecia fácil quando ele pulava do muro e virava humano e quando se jogava na árvore e subia como gato. Era difícil concentrar-me ouvindo tantas vozes, mesmo que estivessem tão longe de mim. Por várias vezes eu bati a cabeça na árvore, mas não doía e eu nem sangrava, eu continuava branca. Quando consegui foi mágico. Jason ficou me admirando como se nunca tivesse visto uma gata se transformando antes.
   - Como estou?
   - Uma gata! – E me mostrou um espelho.
   Eu estava cinza, olhos verdes, patas redondas e pretas, orelhas pretas e cauda misturada, um cinza-escuro.
   - Eu não tinha que ser preta?
   - Não necessariamente Lise. Eu sou preto, mas você como é fêmea deve ficar cinza-escuro; ou quando você comer vai ficar preta, mas assim esta linda. – E se transformou em um lindo gato preto com olhos grandes e castanhos, com uma imensa cauda com a ponta branca. No final de suas patas, de suas orelhas e seu focinho havia manchas brancas, que brilhavam a luz da lua.
   - Sabia que eu te amo?
   - Sim. – E ele me deu uma lambida em meu focinho cinza.
   Eu sabia que tinha muita coisa para aprender, mas ao lado de Jason tudo ia ser mais fácil, ele era um gato experiente, e eu era mais uma gata, a gata cinza-escura dele.

5 opiniões:

Vitória Silva disse...

Ai que fofuuuuuuuuuxo *-*
Vai ter continuação?
Beijos!

Patrícia disse...

ai que coisa linda, fofos! Eu adoro gatos, então me interessei logo por esse texto rs

Chris disse...

hmmm de qualquer jeito você tinha uma gato perto de você.

cardosoflavia77 disse...

Noooo SIMPLES,INTERESSANTE,EMOCIONANTE,ENVOLVENTE,AMOROSOS E ACIMA DE TUDO uma linda declaração de amor. Parabens....

tatiane disse...

Amei o texto, misterioso, romantico e sobrenatural, gostaria muito de saber continuação,ah e é claro a história desde o começo!
Por exemplo, como eles se conheceram, o que faz com que se tornem gatos, uma maldição?
Mas enfim, parabéns é otimo se fosse um livro seria best seller.

Não seja um leitor silencioso. Comente!