terça-feira, 30 de março de 2010

Laçinho vermelho


   O despertador toca, levanto para tomar um banho, coloco uma roupa qualquer e saio com o meu café da manhã na boca guiando minha bicicleta com a minha maltesa na cesta. Eu trabalho em uma petshop. Na realidade eu apenas vendo rações, brinquedos, guias e animais.
   Hoje foi um dia diferente, chegou uma menina que devia ter uns seis anos de idade e especificou o cão que queria:
   -Eu quero um cão companheiro, que faça bagunça comigo, mas saiba quando parar, quero um grande, bem grande, para eu poder abraçar e dormir no colo dele quando estiver jogado perto do sofá. Quero um cão de qualquer cor e raça, desde que ele saiba me amar, não quero filhote, pois preciso de um cão que cuide de mim, e não ao contrário. Você tem um assim?
   Eu fiquei estatelada com as especificações da garotinha, mas não era nada difícil achar um cão carinhoso, jovem, grande e que tenha muito amor para dar. Lulu, a minha maltesa sempre me acompanha em todas as escolhas, ela sabe quando um cão é perfeito para o dono. Entramos no canil para a menina escolher uns dos cães, Lulu logo apontou um Chow Chow, mas a menina virou-se, agarrou a grade de trás e gritou:
   -É este aqui! – Era um grande labrador marrom, com olhos chamuscados de alegria. – É este cão que eu quero, não é Magnum?
   Lulu continuava latindo para o outro cão, enquanto a menina já havia até dado nome ao grande labrador. Quando o soltei ele avançou em cima da menina e começou a enchê-la de lambidas calorosas. Lulu estava me olhando ainda com receio de latir, ela estava chateada comigo.
   A menina saiu feliz e com a mão toda babada enquanto era guiada pelo grande cão Magnum, Lulu ainda estava indiferente comigo. Passou-se uma semana e ela continuava sem latir, sem se mexer, não ajudava nas escolhas e teve até um dia que se rejeitou a vir na minha bicicleta. Com muito calma e carinho me aproximei:
   -Lulu, houve alguma coisa que deixou você chateada? – Ela me olhou como se eu estivesse brincando. – Por favor, Lulu, de algum sinal que você ainda esta viva para mim!
   Ela se levantou e foi para o canil, parando no meio e latiu para onde o labrador estava e agora para onde o Chow Chow permanecia. Eu estendi tudo na hora, eu havia ferido o ego da Lulu quando não aceitei a escolha dela; peguei-a no colo e levei para a frente da loja, para mostrar-lhe uma coisa linda.
   -Olhe Lulu, aquela menininha que veio aqui e levou o labrador marrom. Veja ela na praça, como esta feliz com o Magnum, como o abraça e beija-o, como conseguiu amá-lo e fazê-lo amá-la em uma semana. Desculpe-me não ter seguido o seu conselho, nada em toda a minha vida me magoou tanto quanto saber que havia ferido você. Mas algumas vezes temos que ariscar um novo palpite e fazer uma menininha feliz.
   Ela me deu várias lambidas como se tivesse entendido cada palavra da minha desculpa. Agora estava mais viva. Ainda olhando a menininha nós tivemos a certeza que quando eu entrei naquele canil a primeira vez não foi um cão que me disse quem era minha melhor amiga, foi à troca de olhares que eu tive na primeira vez que olhei a Lulu, quando ainda era um filhote com um laçinho vermelho.

Pauta para Bloínques, 9ª edição conto/história. Tema: Nada em toda a minha vida me magoou tanto quanto saber que havia ferido você.


 
Minha querida Lulu, aos seus oito aninhos ao meu lado. Eu te amo minha maltesa linda.

5 opiniões:

Ana Carolina Lima Da Rosa disse...

Gostei :**

Rodolpho Padovani disse...

Muito bom o texto, e q bom q no final a Lulu entendeu, hehe =D

Obrigado pela visita e comentário lá no meu blog.
Tô seguindo tbm...

Abraços e até a próxima.

carolina disse...

Lindo texto. Adorei! :}

Erica Lopez disse...

owwwn *u*
eu amei muito o texto,acho que ta todo mundo seguindo a dik da moderadora né ? hahaha,MAIS IMAGINAÇÃO GENTE :P
mas eu amei,ficou muito legal,
e sua cachorrinha é lindaa *u*


beijinhos amor (k)

Mandy disse...

*-------* Adooorei. E nossa, como eu quero um labrador tambem. Sim, eu preciso de alguém pra cuidar de mim, pra me ouvir, pra me dar carinho, pra me encher de lambidas.. enfim, pra ser um verdadeiro labrador.
Beijoos linda
Mandy

Não seja um leitor silencioso. Comente!