terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Felizes para sempre.

     Não há como dizer o que significa "Felizes para sempre." Talvez seja uma frase de um livro de criança ou mais uma frase de um filme romântico.
     Na verdade, ninguém sabe o que seria um feliz para sempre, é difícil dizer como devemos interpretar essa forma de amar. Mas o amor é muito mais do que isso, o amor não é complexo, o amor é infinito. Sabe, quando você acha que encontrou o amor da sua vida você quer que ele seja todo seu, você quer que a sua vida seja em função daquele pedaço de carne humana tão importante, que não é um órgão mas você precisa dele para sobreviver.
     O casamento é uma forma de unir duas pessoas que não querem se separar, mas quem sabe o que o destino tem para nos oferecer ? Talvez hoje seja o dia do seu casamento, você esta vestida de noiva e o seu noivo esta de terno, suando no altar, pensando que aquele são seus últimos minutos de solidão e que ele não aguenta mais esperar para que eles acabem. Talvez esse seja o dia mais esperado da sua vida, mas talvez não, talvez você queira ter dinheiro e viajar por ai, sozinha, esperando a vida te trazer algo sem você se esforçar.
     Uma lição que a vida vai te ensinar é que nunca vamos ser felizes para sempre, mas há as exeções. Conheci uma moça nos meus sonhos que era muito bonita, cobiçada por muitos homens, mas nenhum deles era especial para ela. Um dia, ela estava sentada tomando um sorvete quando uma bola de ping-pong acertou-lhe o sorvete, sujando a sua blusa completamente, o sujeito do ping-pong veio correndo para ajudar a moça, nunca tinha a visto, nunca tinha sentido o seu perfume ou visto a sua face branca, com as sardas passando das bochechas para o nariz e seu cabelo cacheado e ruivo descendo até os ombros e seus pulsantes olhos verdes. Quando seus olhos se encontram ele não conseguiu falar nada, ficou admirando sua beleza encantadora, com seu cabelo negro como a noite, sua boca aberta e vermelha, seu nariz fino e seus olhos azuis sobre a face branca assustada e encantada ao mesmo tempo. Seu nome era Arthur, e o nome da moça Rebeca. Aquela podia ser a cena mais constrangedora do mundo, uma moça com sua blusa azul com uma bola de sorvete branca e um rapaz com um lenço na mão e uma bola de ping-pong na outra, mas não foi a cena pensada. Eles dois sorriram e riram da situação. O sorriso de Arthur era lindo, junto com a sua face vermelha de vergonha, Rebeca estava encantada com tudo aquilo.
     Começou a chover e a blusa de Rebeca ainda estava com a bola de sorvete, Arthur estava sem palavras e não conseguia tirar a mancha da blusa dela. Ela não podia ir para casa daquele jeito e chovendo. Ele ofereceu a ela uma carona depois de terem se apresentado e obviamente ela aceitou. No carro ele deu uma blusa dele para ela, Rebeca ficou linda, estava de calça jeans e agora com uma camisa preta de Arthur, ele estava com uma calça e uma camiseta branca. Depois dele ter chegado na casa dela ela o agradeceu e lhe deu um beijo na bochecha, ele não a puxou para dar-lhe um beijo de verdade, apenas disse 'até algum dia'.
     Ela não acreditou muito que um garoto não a beijou naquela oportunidade, Arthur já estava com o carro na esquina quando ela saiu correndo e gritou o nome dele, ele parou o carro e veio correndo na chuva, a camisa estava colada e o cabelo esparramado na sua face branca, a blusa de Rebeca, que era dele, estava colada ao seu corpo, e seu cabelo ruivo estava molhado, mas os cachos ainda perfeitos. Então ela disse:
     '-E a sua camisa.
     -Pode ficar para você.
     -Mas eu não quero.
     -Então a queime depois.
     -Eu quero devolve-la.
     -Você não vai tirar a camisa nesta chuva no meio da rua não é ?
     -Não, eu quero o seu telefone para eu te devolver !'
     Arthur deu o telefone e foi embora, sem nenhum beijo. Um tempo depois ela ligou pra ele, eles conversaram, se encontraram, saíram e nada de mais. Até o dia em que ele chegou na casa dela de surpresa e disse:
     '-Eu queria ter beijado você no instante em que te vi, mas notei que se eu a beijasse, iria ser outro garoto comum. Naquele dia de chuva, quando vi minha camisa colada em você disse a mim mesmo que não havia coisa mais bela do que você, e resolvi te conquistar.'
     Ela saltou nele e deu um beijo apaixonado, um beijo que nunca deu em outro garoto na vida. Eles namoraram, noivaram e se casaram. Estão agora na casa deles com os seus filhos Alice e Alex, sendo felizes.
     Me pergunto se eles vão ser felizes para sempre, ou se a vida vai mover o bispo e comer o rei. Mas espero profundamente que o rei mude de percurso e o bispo seja comido pela rainha antes. Rebeca e Arthur viveram nos meus sonhos, mas eu acordei e não soube qual era o final, eu só me lembro que antes de eu acordar ele disse:
     '-A vida pode ser cruel, pode nos separar, mas eu espero que apenas a morte faça isso, porque o amor que eu sinto por você é mais forte do que tudo. Ainda bem que eu fui jogar ping-pong.'
          Não sabemos o que a vida pode nos dar, por isso ame muito o seu amor, e sempre que sentir vontade, se desculpe, pois nunca sabemos o dia de amanhã.

Que não seja infinito, posto que é chama, mas que seja eterno enquanto dure.

Pauta para Blorkutando, edição 63. Tema: Até que a Morte os Separe.

3 opiniões:

Jana Barreto disse...

Ah, poxa... que super lindo. Me encanta textos assim, com esse romantismo tão puro, sabe? Na realidade, faltam garotos como ele, eles só mudam quando se apaixonam (de preferencia pela garota errada...).
De verdade, gostei demais.
Super sorte no BK!
Beijão =*

Sabrina Mix disse...

Oi, Nanda!

Também estou participando do Blorkutando. Adorei a abordagem que você deu ao tema.

Beijos e sucesso!!!

MEU BLOG: http://www.sabrinamix.com

Cíntia Mara disse...

Olá, Fernanda!

Legal seu blog. Vi seu link no Post It e prometo voltar mais vezes.

Beijos

Não seja um leitor silencioso. Comente!