sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Superar é o remédio

     “Vou deixar a vida me levar, pra onde ela quiser […]” Ando escutando muito isso, a maioria das minhas amigas sempre cantam isso depois que terminam um namoro. Sabe-se que eu sou o cupido e o ombro de consolo. Agora se imagine sentada no sofá da casa da sua amiga esperando ela tomar banho e a mesma cantando isso no chuveiro, é de matar.
     Um dia desses a Cristina, mas conhecida como Cris, terminou o namoro com o Eduardo, que todos conhecem como Edu. Ele era o garoto mais popular da escola e ele só namorou com ela por causa de uma aposta com os garotos, que ele não conseguiria namorar por mais de um mês uma 'nerd'. Se ele tivesse namorado e depois terminado tudo bem, mas ele namorou, humilhou, ignorou e depois terminou com a Cris por causa de cinquenta reais de uma aposta besta.
     A Cris é muito sensível quanto a namorados, ela me deixa louca falando que a culpa é minha. “Você me apresentou ele !” E eu ia saber da aposta ? Ele chegou em mim e disse que queria conhecer a Cris, então eu falei com ela e a mesma ficou dando pulinhos de alegria, me diz então, eu sou a culpada ?
Mas depois que ele terminou tudo ela esta arrasada e cantando. O pior é quanto vem “Devia ter me importado menos, com problemas pequenos, ter morrido de amor [...]”. Ela vai morrer se não parar de cantar isso. Finalmente, entra em ação a      terapeuta aqui.
     É cansativo mas tudo bem, ai ela me contou tudo o que eu já sabia e mais um pouco. Então interrompi e mandei: “O Remédio é o tempo”. Para que eu fui falar isso, ela solou os cachorros em cima de mim.
     “Você acha que o tempo é o remédio ? Veja por este ângulo, faz dois meses que ele terminou comigo, passou um bom tempo e eu ainda estou assim, veja o meu estado caótico ! Estou cantando todos os dias no chuveiro, coisa que eu odiava, estou comendo salada com chocolate e bolachas a noite. Me ajuda, eu estou enlouquecendo.”
     Agora entra a minha cara de assustada e tipo, ela esta doida. O que eu falei ?
     “Cris, quer que eu diga a verdade ? Não responda porque eu vou dizer. Você é uma imbecil que se deixou levar pelo garoto mais popular da escola, a culpa não é minha pois eu te avisei depois de uma semana que vi o Edu com outra garota e você não acreditou e disse que eu estava com inveja. Agora esta ai chorando desolada porque não tem ninguém além de mim aqui, para te consolar e dizer essas verdades. Ou você espera o tempo passar e vê se isso passa ou você enfrente de cabeça erguida.”
     Depois de tudo isso eu só vi a Cris correr para o quarto. Ela ficou uma duas horas lá dentro, mas quando saiu meu Deus. Estava com uma vestido lindo de seda com um salto alto, cabelo escovado e maquiada. Nem parecia a Cris. Ela me chamou para o quarto dela e depois de uma hora saímos nós duas produzidas, não havia um garoto que não olhasse. Fomos direto para a casa do Edu e batemos na porta. Quando ele atendeu ficou sem palavras, também não tinha o que dizer, foi ai que soltamos os cachorros, na verdade soltamos os elefantes. Primeiro foi um tapa de cada lado no rosto dado por nós duas, depois eu falei que ele era um idiota e essas coisas, então foi a vez da Cris, ela falou tanto, gritou tanto que até os amigos do Edu que são os vizinhos dele vieram ver. No final a Cris só disse: “Obrigado Edu, por você ter feito essa aposta, pois agora eu quero ver quem vai ficar com um idiota que fica com as garotas por apostas.” Nesta hora eu adorei a Cris.
     Nós voltamos para casa e depois da escola, todos estavam felizes com a Cris.   Ela tinha enfrentado o maior medo dela, coisa que nenhuma garota havia feito era bater no Edu. Agora, falando direito, o remédio não é o tempo em si, mas é o tempo que você gasta até você perceber o que você fez e o que você vai ter que fazer, assim depois você poderá levantar a cabeça e dizer: “Eu superei.”


Pauta para Blorkutando, edição 64. Tema: O Remédio é o tempo.

2 opiniões:

Gêsa disse...

. Adorei o texto :D

Ana Carolina disse...

Estava lendo seus textos antigos e encontrei esse. Muito bom, eu ri lendo. Essa Cris me lembra as melhores amigas de filme, aquelas bem doidinhas. A frase final "o remédio não é o tempo em si, mas é o tempo que você gasta até você perceber o que você fez e o que você vai ter que fazer" está bem inspiradora.
Escreva mais textos assim. :)

Ana Carolina,
http://realezacontemporanea.blogspot.com.br/

Não seja um leitor silencioso. Comente!