segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Labirinto dos Deuses - Parte I

     Olá pessoal que tem computador e vive fuxicando a vida nos blogs dos outros...eu vou começar a escrever um conto, na verdade ele já está pronto, era para este concurso só que lá pedia 500 palavras, o meu texto deu 2,541, não dá para mandar assim, né?
     Pois bem, eu estava querendo mesmo fazer um negócio destes então por uma semana (ou 6 dias), sempre terá um pedaçinho novo a cada dia, então aproveitem bem. É sobre Mitologia Grega.

--

A prova dos céus.

     Foi apenas um sonho para ela, mas nada se compara a sua face assustada quando lhe contei a verdade.
     Está tão claro como o dia em que ocorreu a Revolta dos Deuses, eu sei que devia ter contado antes, mas ela não ia acreditar em mim, até ver o raio em meu braço. Ela estava em um sono tão tranquilo quando adormeci ao seu lado, mas o que eu não contava era que quando eu acordasse estaria em um labirinto, e no céu meu pai falando comigo, Zeus.
     - Arthur, como você pode deixar-te levar por uma humana, quando você é um Deus!
     - Você não entende Pai, eu amo a Leona.
     - O que eu não entendo é porquê você me deixou chegar a este ponto Art.
     E nesta hora, no céu, todos os Deuses apareceram sobre as nuvens, cada qual com a sua arma, cujas estavam sendo dadas para mim.
     - Art, todos os Deuses estão aqui para lhe dar os seus presentes; com estes presentes você lutará neste labirinto contra todos os seres místicos e perigosos de Delos, onde você está, Leona está do outro lado do labirinto, e para salvá-la terás que correr contra o tempo de minha ampulheta, quando o último grão de areia cair ela está morta.
     - Por que tudo isto Pai?
     - Porquê você é um Deus e está com uma humana! – Seu tom era de revolta e decepção contra seu filho favorito. – Se você não vai deixá-la por bem, então terás que enfrentar o labirinto! As Moiras cuidaram disto, Cloto deu a vida a sua amada, Láquesis deu contínuo a vida dela, mas tudo está nas mãos de Átropos, que está a alguns grãos de areia de cortar o fio da vida de Leona. Se quiser salvá-la, corra.
     E todos os Deuses sumiram, deixando apenas suas armas de batalha com um bilhete de meu Pai: “Eu te amo filho, por isso lhe darei uma chance de salvar Leona com as armas de todos os Deuses, tome cuidado com os ventos, alguns te levarão ao lugar errado, mas confie nas Ninfas, elas te guiarão”. Depois da última palavra dita o bilhete se queimou. E confiante eu entrei no labirinto imaginando as criaturas. Que Pai estoico eu tenho!
     Não demorei muito encontrei Erínias voando sobre o labirinto, quando me viram voaram para me atacar, mas destruí-las com o tridente de Posêidon. Senti na espinha um vento frio, era o Bóreas, o vento Norte me puxando para outro caminho, quando senti algo me puxando, era Oréada, a ninfa das montanhas e grutas me levando para o caminho oposto.
     - Confie em mim, Bóreas logo vai fazer chover, se proteja na gruta.
     Confiei em Oréada e me escondi na gruta, mas o que não contava é que ciclopes apareceriam.
     - Não era para eu confiar em você?
     - Eu não sabia que havia ciclopes aqui. – E mergulhou no escuro da caverna deixando-me sozinho.
(Continua)

2 opiniões:

Diogo C. Scooby disse...

Muito interessante esse update de uma mitologia tão antiga! Quero ver como Art vai se sair dessa, mas sinto que não vai ser nada fácil...

Loreal Megan disse...

Está bem legal amiga!!!
Parabéns pela história!!
beijoooos
Lorrie M+e+g+a+n*

Não seja um leitor silencioso. Comente!