segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Você ainda acha que a sua vida é difícil?

               17 de abril de 2009

     Eu nunca pensei nas consequências que um amor me traria, para falar a verdade eu nunca fui muito ligada nos assuntos amorosos; eu sempre fui mais, na minha.
     Nenhum garoto, nenhum mesmo ligava para mim, e ligar no sentido de falar, não de telefonar, pois eles nem pediam meu número de telefone. Eu tenho uma mãe estérica, um pai solitário, uma irmã mais nova chata e um irmão mais velho nerd; quer dizer que sou a filha do meio, e as filhas do meio nem sempre têm um bom futuro, no sentido sentimental da vida.
     Meus pais já não se falam muito por meu pai ter enchido das falações da minha mãe pela mesinha está com mancha de copo d’água umedecida. Minha irmã brinca muito de boneca e meu irmão é viciado em computador e pega todas da escola, mas não tem tempo de me ensinar a pegar todos. A, já ia me esquecendo, minha irmã tem 9, meu irmão tem 16 e eu tenho 13, ô vida dura a minha.
     Minhas notas sempre foram na média um pouco mais altas, só por isso eu sou um ‘pouco’ notada no colégio, as pessoas querem colar de mim. E foi num dia desses de testes que o professor notou que uma garota estava colando de mim, e pra falar a verdade eu nem estava notando, mesmo! Fui parar na diretoria junto com a minha mãe, que deu uns ‘fanikitos’ no meio da diretoria com a mãe e a garota junto com o diretor olhando para minha cara pensando “É por isso que ela é deste jeito, olha só a mãe!”.
Depois de levar um sermão do diretor e o professor me passar para a primeira carteira minha mãe ainda brigou comigo dizendo que eu era uma retardada, desleixada e idiota por deixarem colar, e que se as outras pessoas estavam colando eu também, então eu a interrompi:
     - Foi buscando acertar que às vezes eu errei, mãe!
     Ela me olhou como se não estivesse entendendo nada.
     - Todas as vezes que alguém cola de mim eu sou útil, eu tenho uma família que não me dá atenção, eu não tenho amigos, os professores me olham torto por eu ir para escola todo dia de olheira por escutar você e o papai brigando a noite inteira. Eu estou cansada de ter que aturar isso mãe, eu preciso de alguém que me dê carinho, eu preciso de você.
     Eu desabafei pensando que ia fazer alguma diferença.
     - Então peça para o seu pai ir às reuniões e ler uma história antes de dormir, por falar nisso, está de castigo uma semana, e se falar assim comigo novamente vai para a escola de verão. E SEM AMIGOS. – Ela fez questão de gritar bem alto no final enquanto subia as escadas.
     Eu só lamento a minha vida, dela ter que ser assim, mas eu faço o meu melhor, só que as pessoas não enxergam isso.
     - As pessoas iriam enxergar se você deixasse elas enxergarem. – Meu irmão filosófico hoje.
     - Como assim?
     - Samantha, tudo é uma questão de escolha.
     - James, abre o jogo, o que ta pegando?
     - Você não vê e Caroline? Ela tem amigos porquê fala o que quer e não se importa com que os outros vão pensar dela. – O que James? Ele ta ficando biruta!
     - Ela só tem 9 anos.
     - Sam, nada adianta se você se machucar antes de tentar. Faça o melhor que você puder.
     Então eu pensei nisso, James estava certo, eu tinha que fazer o melhor que eu podia, então prometi a mim mesma que amanhã será um novo dia, pois com essa chamada do diretor talvez o pessoal ache que eu sou má.

Obs.: Cara Sam, você é muito idiota de deixar a chave do seu diário de baixo do travesseiro, ai, só vai mais uma dica, quando você for escrever no seu diário não coloque meu nome verdadeiro, e se alguém ler isso e achar que eu sou legalzinho com a minha irmã? E que foto é essa da gente quando eu tinha 10 anos?  Se liga Sam, e você não é MÁ! É só mais uma que foi parar na diretoria e ninguém vai lembrar, nem o diretor. Quer apostar cinco pratas?!

--

Pauta para Bloínquês, edição 03. Tema: 'Foi buscando acertar que as vezes eu errei'.

3 opiniões:

Gutt e Ariane disse...

Nossa, que grata surpresa... como flui esse texto. Uma leitura gostosa de um desabafo triste, de uma realidade vivida por muitas e muitas crianças/adolecentes nesse país afora.

Manu Lago disse...

Bom o texto. Retrata bem os dramas de uma adolescente.

Manu Lago disse...
Este comentário foi removido pelo autor.

Não seja um leitor silencioso. Comente!