quarta-feira, 19 de maio de 2010

Eu mato...


   Na noite escura e tenebrosa mal dava para se ver as pessoas andando nas ruas. Seus guarda-chuvas pretos escondiam rostos que eu tentava entender, mas que há muito tempo larguei de mão.
Escondo-me nas entranhas da noite, em algum beco esperando alguma vítima, tenho medo. O medo me consome por dentro e corrói tudo o que chamo de sentimento. As pessoas continuam passando a minha frente e eu as olho, escolhendo minha próxima vítima.
   Ela passa pisando nas poças d’água segurando a mão de uma estranha escondida no guarda-chuva; ela sorri quando me vê, mas não imagina o que eu sou. A estranha para em frente ao café e solta a menina; ela corre em meio à escuridão e ninguém percebe nada.
   Agora ela é minha, em segundos seu pescoço já está quebrado e no seu rosto deixo uma marca, a minha marca. Suas bochechas coradas têm agora cor de sangue, marcadas pela palavra ‘dor’; a minha dor, todas as dores.
   Essa foi a minha vigésima primeira vítima em um mês. As noites sufocam-me e eu não consigo me livrar deste sofrimento, a cada vítima cresce mais, mas eu não consigo parar, simplesmente eu me sinto melhor; e depois desabo. Matar alguém é como caminhar pela rua. Se eu quisesse uma vítima, eu ia e obtinha uma.
   -Vamos analisar a situação, você chega no meu consultório e pede ajuda para acabar com um sofrimento que eu não sei donde vem e espera que um psicólogo te cure sem saber o problema?
   -Seria uma maneira rápida de terminar as coisas, não é?
   -Talvez. – Ele me dizia sentado na sua poltrona com o seu cachimbo.
   - Até nisso nós somos iguais. A única coisa que nos diferencia é que, quando acaba de falar com as pessoas, você tem a possibilidade de se sentir cansado. Pode ir para casa e desligar a mente e todas as suas doenças. Eu não. Eu não consigo dormir de noite, porque meu sofrimento nunca acaba.
   - E nessas noites, o que faz para se livrar do seu sofrimento?
   - Eu mato...

Pauta para Once Upon a Time, 45ª edição. Tema: Frase em negrito.
P.S.Texto sobre um Serial Killer e algumas frases retiradas do livro ‘Eu mato’ de Giorgio Faletti, que quero muito ler.

7 opiniões:

Jaqueline Jesus disse...

*-*
uma maneira bem estranha e ineficiente de se livrar dos problemas né ;s
Ameei, muito bem escrito e muito criativo.
:D

Desirée F. disse...

Adorei o texto, muito muito bonito mesmo!
Estou seguindo teu blog, bjjs s2

Thizi disse...

Imagine um assassino passando pelo psicologo que estranho! Mas foi criativo, espero que você consiga ler o livro.

Biazynhah disse...

Tem selinho pra vc lá no meu blog.

Marina disse...

Oiii! Adorei o seu blog, muito fofo! bjsss

Taynara Ambrósio disse...

Belo post querida, amei o texto, blog.

www.trueslove.blogspot.com/

Rodolpho Padovani disse...

Adorei seu texto, gosto de coisas meio sinistras, muahaha... e tô morrendo de vontade de ler esse livro desde que o vi pela primeira vez na livraria *.*
Será q temos um lado obscuro pedindo pra sair? hauhua...

Bjs...

Não seja um leitor silencioso. Comente!